Home

“Rio+20 é mamata e aquecimento, história pra boi dormir”, diz professor

http://noticias.terra.com.br/ciencia/rio20/noticias/0,,OI5768714-EI19851,00-Rio+e+mamata+e+aquecimento+historia+pra+boi+dormir+diz+professor.html
ANDRÉ NADDEO – Direto do Rio de Janeiro

A pouco mais de um mês para a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, o professor Ricardo Augusto Felício é a “água no chope” de qualquer tese ambientalista, a ponto de dizer que o aquecimento global é “história para boi dormir”, que o protocolo de Kyoto “é uma grande besteira” e que Al Gore, o ex-vice-presidente americano que fez o documentário “Uma Verdade Inconveniente”, sobre os perigos da elevação das temperaturas no planeta, não passa de um “sem-vergonha”.

O que mais intriga em Felício, e que serve como contraponto ao espírito de conservação ambiental e de políticas de sustentabilidade tão em voga, é que o seu discurso é embasado em estudos e, claro, na sua formação específica: é bacharel e mestre em meteorologia da Antártida, onde já esteve para duas temporadas de pesquisas, além de doutor em climatologia da Universidade de São Paulo.

Ele repudia a existência do aquecimento global e afirma, com toda a convicção, que buraco na camada de ozônio é algo equivocado, pois sem a incidência do sol, ela simplesmente não existe, é um estado transitório. Sempre com argumentos fortes. “Não é teoria da conspiração, é mentira mesmo. São vários os interesses. O discurso da mídia está sempre pautado no medo, na morte e no futuro. A gente fica evocando os maiores medos da humanidade”, explica.

Vinte anos após a Eco92, o Brasil, e especificamente o Rio de Janeiro, volta a ser o centro das atenções em temas relacionados ao meio ambiente e suas políticas a partir do mês que vem. Para o professor, porém, tudo não passa de “uma grande mamata”. “A cada 20 dias tem uma reunião num lugar exótico: você não adoraria viajar? Copenhague no Natal? Show!”, afirma.

Confira a seguir a entrevista exclusiva do Terra com o climatólogo da USP.

Terra: Quer dizer que essa história toda de aquecimento global é pura balela?
Ricardo Felício: É história para boi dormir. Primeiramente, pela hipótese que se utiliza: essa história toda de efeito estufa, que aí incrimina o gás CO2, aquele que alimenta toda a nossa vida, e está entre os que absorvem a radiação infravermelha, deixando a Terra ainda mais quente. Mas isso aconteceu sempre em toda a história do planeta. A taxa de CO2 é extremamente pequena, em torno de 0,033% a 0,035%. É tão ridículo! E estamos falando de todo o CO2 do planeta. Para você ter uma noção, a atividade humana é menor que a dos insetos. Não dá para engolir mais essa história. É uma física impossível. Se isso acontecesse os cientistas já teriam montado algum equipamento nesse sentido, justamente para captar essa energia extra, você não acha?

Terra: Sinceramente não sei, mas estou ouvindo sua tese.
Felício: O climatólogo canadense Timoth Oke (outro famoso por contrariar a tese coletiva do aquecimento global) dizia que nós confundimos essa ideia de green house (casa verde) com glass house (casa de vidro). Porque a energia entra naquela casinha de vidro, esquenta o ar, mas ele não sai lá de dentro. O efeito estufa é um efeito que diminui, ou até anula a dinâmica de fluído de atmosfera. Você está dentro do carro, com vidro fechado: você vai morrer porque você está com calor. Abriu o vidro, caem 20 graus quase que automaticamente.

Terra: E os outros gases, como os CFCs?
Felício: Essa besteira que inventaram que foi o protocolo de Montreal, que antecedeu outra besteira chamada protocolo de Kyoto, fala que não pode ter. Criaram até delegacias nos Estados Unidos para não se usar CFC. Você torna o gás um vilão, que quem usa tem que ser preso para não destruir a camada de Ozônio. Chegou-se ao ponto de se confiscar produtos, como desodorantes, que usavam esse gás. Resumidamente, é queda de patentes: é um gás altamente benéfico para a indústria, não reage com nada. Quando ele cai no mar, as próprias bactérias o destroem, segundo o último artigo científico que li. A quantidade de CFC é irrisória.

Terra: Mas não causa buracos na camada de ozônio?
Felício: Mudança climática não é ciência consolidada. Lá na Inglaterra já está saindo do currículo escolar. Mas para nós aqui, que somos país de terceiro mundo, continua se ensinando esta besteira. O que existe na atmosfera é nitrogênio e oxigênio. O tal do ozônio é um estado transitório quando a energia solar incide sobre a atmosfera. O ultravioleta categoria C, por propriedades da molécula, age sobre o O2. É bem simples o que eu vou dizer: ele reage, e gera o ozônio. Ele é transitório. Quando não tem energia, não forma. Sem sol, não tem camada de ozônio. É um ciclismo rápido. Quando não tem luz, não tem ozônio.

Terra: Você já viu, certamente, o documentário “Uma Verdade Inconveniente”, do ex-vice-presidente dos EUA, o Al Gore?
Felício: Ele é um sem-vergonha! Ele é dono da bolsa climática CCX (que cuida de créditos de carbono), que está caindo por chão, porque sua história é irreal. O filme e o livro são proibidos de entrar nas escolas do Reino Unido. A alta corte britânica proibiu, você sabia disso? Porque tem pelo menos 10 inverdades ali. Aqui você vai a qualquer escola e tem gente ensinando e falando do filme daquele desgraçado.

Terra: Quais inverdades são essas?
Felício: Uma é a do próprio efeito estufa, ao mostrar que os efeitos meteorológicos estão ficando severos. Poxa, gente de velha guarda dos Estados Unidos que estuda tornados e furacões há décadas mostra que isso não existe. É o processo da desinformação. Colocam um cientista político corrupto por trás, que vai na história que você quer escutar. Eu estudo há anos a Antártida e já estive lá duas vezes. Os anos de 2007 e 2009 foram os mais frios, quebrou-se recorde de 1941. Justamente no ponto em que eles dizem que mais se aquece, que é a península Antártida. O pessoal do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), que trabalhava sério com as informações de meteorologia, nos últimos 15 anos mostrou que a temperatura estava baixando. Só que fecharam a estação deles! Quando a informação não convém, fecha-se.

Terra: Acho que algumas pessoas que lerem essa entrevista vão ter a impressão de que você fala de uma teoria da conspiração.
Felício: Não é teoria da conspiração, é mentira mesmo. São vários os interesses. Você vai me desculpar, mas o discurso da mídia está sempre pautado no medo, na morte e no futuro. As pessoas vão morrer! A gente fica evocando os maiores medos da humanidade.

Terra: Você está dizendo, fazendo um comparativo, que a ideia de aquecimento global é igual a dos armamentos de destruição em massa que o ex-presidente americano George W. Bush usou como justificativa para invadir o Iraque? Ou seja, a teoria do medo?
Felício: Exatamente. É o controle das pessoas. Você justifica qualquer ação governamental com isso. Esses caras estão passando por cima de tudo, estão legitimados porque estão salvando o planeta. Você está abrindo precedentes para se salvar o planeta. Passa por cima de lei, de controle de recursos naturais. O medo legitima a implementação de qualquer coisa, e ainda serve de desculpa que não deu para fazer algo que deveria ser feito. Teve enchente? Poxa, desculpa, quem mandou você usar o seu carro? Mudou o clima do planeta: se você não usar a sua lâmpada de led você vai ter um desastre de enormes proporções. Agora inventaram até essa história de proibir sacolinha plástica (a distribuição em supermercados) para obrigar as pessoas a gastar mais dinheiro.

Terra: Você também é contra isso? Mas o plástico demora mais de 100 anos para se degradar no ambiente.
Felício: O planeta é muito mais sofisticado do que a gente acha. Já existem vários mecanismos na espreita aproveitando a oportunidade. Já ouviu falar das leveduras negras? São bactérias que comem até petróleo. Esse papinho que não pode usar plástico é bomba relógio elitista, porque os pobrezinhos não vão poder mais usar. Vai fazer as pessoas gastarem dinheiro para se comprar plástico? É uma sem-vergonhice! Daqui a pouco vão falar que o aquecimento global começou com as sacolinhas. Temos tecnologia para chegar no lixão e eliminar o plástico. Poxa, já temos bactéria que come até petróleo! É a velha máxima: ‘Está com dor de cabeça? Corta a cabeça’.

Terra: Por que não usaram essa tal levedura no derramamento de óleo do golfo do México, então?
Felício: É como eu disse: tudo uma questão de interesse. Sempre é assim. Já estou abstraindo dessas coisas. Não dá, cara.

Terra: O que você acha da Conferência das Nações Unidas para Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que ocorre agora no próximo mês de junho?
Felício: Minha opinião é a pior possível: a (premiê alemã Angela) Merkel não vem, um monte de gente não vem. O que vamos deixar para os filhos? Rio+50, Rio+infinito? Isso é literalmente manter as colônias daqui sob o domínio europeu. Em 1492 vieram com o espelhinho vender para gente, agora vêm com essa mentira. É a ‘mamata’, meu velho. A cada 20 dias tem uma reunião num lugar exótico: você não adoraria viajar? Copenhague no Natal? Show! (sobre o último grande encontro climático mundial na capital dinamarquesa, em dezembro de 2009). Nunca vamos resolver esse problema porque é a ‘mamata’ e não precisa de nenhum cientista para falar isso. O mito tem poder porque as pessoas acreditam. Aí eu quero ver quem é que vai por o nomezinho para se responsabilizar. Em ciência, quem faz afirmação é que tem que provar. Isso é um princípio, o cético não tem que provar, a gente pede a prova. Não tem prova nenhuma, isso que é o pior.

Não tem medo de estar totalmente enganado?
Felício: Nenhum mesmo. Não dá mais. O planeta vai fazer o que quiser e danem-se vocês seres humanos. Quando eu quiser fazer nevasca, vou fazer, e quando tiver tsunami vocês correm com os rabos no meio das pernas. Veja como é curioso: os cientistas sempre têm uma solução desde que você pague por elas. O cético fala para você não fazer nada, e não pagar nada. Não estou falando para você pagar algum produto meu.

Terra: E se daqui a alguns meses você escrever um livro falando sobre tudo isso? Não será também, de certa forma, por interesse?
Felício: A pior coisa para um cientista é ter que fazer isso. Passo o bastão para quem quiser. Queria ficar no meu cantinho, fazendo minha pesquisa, trabalhando sossegado. Mas é muita patifaria. Sou humanista, não um marxista. É o destino da humanidade por outro viés. O planeta vai muito bem, obrigado. Vai continuar por aqui quando nós já tivermos desaparecido. Já tem um monte de livros aí na praça, gente muito melhor do que eu. Procura na internet. São 35 mil oceanógrafos, meteorologistas dos EUA. Muita gente que não aceita essa hipótese. Não tem mais o que falar: tem que encerrar esse assunto. São dois mil anos de assunto, chega! Temos que nos preocupar em resolver os assuntos da humanidade, como os recursos hídricos para resolver a condição das pessoas na seca.

21 pensamentos em “Professor Ricardo Augusto Felício critica Rio+20, Al Gore e aquecimento global

  1. Ótima entrevista , realmente com objetivo claro, é muito dificil lutar contra as mentiras, continue lutando . porque a historia dirá o quanto O Dr Ricardo está correto.

    • Porque não convidam o Prof. Ricardo para palestrar na Rio+20, eles tem medo porque sabem que é tudo uma farsa. Olha o idiota ai encima já entrou na cascata do aquecimeno global.

    • Da pra ver pela cara desse biologo que ele fumou um “brow” antes de falar as merdas das quais ele sequer tem graduação para falar. Conecereis a verdade e ela vos libertará. Os gringos acabaram com todos os recursos deles e agora querem controlar os nossos, nos mantendo sempre mais pobres para que sejamos sempre dependentes. Graças a Deus temos pessoas como o professor Ricardo para elucidar os leigos com a verdade.

    • O bichim queimou a pele lá na Argentina, será que não foi a r….? vai estudar pra não falar merda………..vai cuidar da tua criação de piolhos…………biólogo de rola bosta ( besouro comedor de bosta)

  2. Este cabeludo é um biólogo que não sabe nada sobre climatologia. A maior autoridade na América Latina sobre o assunto é o prof. Luiz Carlos Molion. Ele conhece todos os mentirosos dessa mamata que é o aquecimento global e quase foi expulso da Eco92 ao bater boca com um dos defensores dessa falácia. O prof. Molion confirma as palavras do prof. Ricardo Felício. Vejam a entrevista no Canal Livre em maio de 2012.

    http://www.band.com.br/canallivre/videos.asp?v=01db85db929e407695daf2d29245a4e9&pg=1

  3. Nós já deveriamos se preocupar com resfriamento global e não do aquecimento global que já terminou
    Se homem controlar o clima porque ele não parar as nuvens,furacão,frente frias,nevasca,geada,tornados,raios e a seca nordeste significa que o homem não faz nada nem aquece e nem esfriar né cabeludo preste atenção ricardo felicio e luiz carlos molion são do bem

  4. Se você não tem dominio sobre o assunto, como você se coloca para refutar o que você não entende?

    Quer aparecer!

    Leia esse livro aqui menino: Poder Global e Religião Universal – de Juan Claudio Sanahuja.

  5. O biólogo cabeludo se enrolou, e ele mesmo declarou isso quando disse que sua praia é outra, a saber, a biologia, e que de clima ele não entende nada. Ora, se nada entendo de determinado assunto e me coloco para desmontar uma análise que outro, perito no assunto, colocou, logo faço o papel de tonto. Ele ainda disse que outro camarada, um aluno!, também rebateu e desmontou as ideias do professor Ricardo. Um aluno, sem experiência nem conhecimentos sólidos, se põe a rebater o que alguém passou os últimos 10 ou 20 anos estudando, é muita pretensão! Acabei vendo o vídeo do professor Molion, que numa didática muito simples e lúcida, também acabou detonando a conversa dos ambientalistas. O fato, meus caros, é que há muitos interesses por parte de poderosos, vide os americanos e suas ongs que afirmam que querem que nós, brasileiros, sejamos “pulmões do mundo” enquanto que ELES serão os fornecedores de alimentos e produtos!!! Querem que sejamos apenas consumidores, pagantes, enquanto eles nadarão nos recursos e no dinheiro. Temos que abrir os olhos!!!

  6. Car@s, percebo que o problema está girando em torno do golpe global para implementar o novo modelo econômico que foge do padrão dollar para o padrão global de colocar a natureza como moeda. Não foi à toa que Evo Morales anunciou que deveríamos discutir a nacionalização dos recursos naturais, sendo que o golpe quer internacionalizar, justamente, os recursos naturais para salvar o capitalismo e os mega bancos.
    Para dar mais impulso ao debate, sugiro que assistam o vídeo http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2012/06/grupo-de-cientistas-nao-ve-motivo-de-alarme-em-mudancas-climaticas.html que passou no Jornal Nacional da Globo durante o Rio+20. Interessante, pois em plena discussão no Rio, a Globo mostra a outra versão.
    Atenciosamente,
    Nuno Nunes – Administrador do AcordaTerra.

  7. É bem por aí meu caro Nuno Nunes. Os interesses são econômico-financeiros. Como o povo não tem informação suficiente passará a comprar o que a propaganda vende. Que precisamos ser econômicos e cônscios de nossa responsabilidade neste planeta é um fato. Agora cair no alarmismo, no conto do vigário dos poderosos é ter déficit de neurônios. Grande abraço a todos.

  8. Temos que procurar opinião de homens sérios e responsáveis, e não de qualquer cara da internet, ou qualquer um que grava video em Youtube. Sinceramente. O Prof. Molion é reconhecido e confirma as palavras do Ricardo. Pesquisem, uai, a informação tá aí.

  9. kkkkkkkkkkkkk….Esse prof. Ricardo é um Zé ruela….dá uma olhada no curriculum Lattes do cara http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4769802H5

    o maluco só tem três “artigos” publicados…e se diz cientista, não é porque ele é cético…é pq os trabalhos são uma mer@#$ mesmo….Vamos lá poluir o planeta…não existe efeito global na minha atitude….mas e se for a minha e de mais 7 bilhões de pesoas….Prof. Ricardo muito orgulhoso, arrogante e LESO!! que cientista o que? zé ruela…dando palestra em colégio de São Paulo…olha só pra quais eventos que ele é convidado..kkkkkk

  10. Um bom cientista sempre duvida, por isso crianças, duvidem! E leiam, pesquisem, se informem. O problema dos biólogos é que são muito alienados, ô povo que não se envolve nas questões políticas e sociais. Eu sou bióloga, mas aprendi a sempre ver os dois lados da moeda😛

Obrigado!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s