Home

Deputados e Senadores brasileiros da Bancada Ruralista se posicionaram contra os indígenas e a Fundação Nacional do Índio (FUNAI), ligada ao Ministério da Justiça, obviamente defendendo os interesses de quem financiou suas campanhas. Empresas como Bunge, Klabin, Associação Nacional de Armas e Munições financiam campanhas da Bancada Ruralista, pois seu comércio e suas mercadorias dependem de espaço, terras agricultáveis e conflitos para serem produzidos e vendidos.

Há uma década, o grande inimigo deste negócio se chamava Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), e a imprensa-empresa dedicava tempo em seus horários mais nobres mostrando invasões a propriedades privadas, quando o MST estava apenas demostrando ao mundo como é desigual a distribuição da terra no Brasil, com seus latifúndios e latifundiários que comandam a política desde à época do Brasil Império. Lula e o governo do PT buscou resolver o conflito fortalecendo o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), ligado ao Ministério do Desenvolvimento Agrário, e apoiando a regularização de terras, retirando das mãos de especuladores e latifundiários áreas que não utilizavam, mas que guardavam para investimentos futuros, e passando lotes para mãos de famílias de agricultores que não tinham terras. Hoje o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) funciona com a força dos assentamentos feitos pelo INCRA com apoio do MST.

Com as coalizões que o PT fez com PMDB, PSD, PP, PR, além de outros partidos para garantir a eleição de Dilma Rousseff, a oposição ficou mínima, apenas com um enfraquecido PSDB, o inoportudo DEM (ex-PFL) e monstrengos recantos elitistas. Assim, o “inimigo” a ser combatido pela elite rural, latifundiária, de raiz gauchesca, foi ocupando espaço na sociedade nacional, deixando de ser marginalizado. A elite se viu ameaçada, sem “inimigos” para apontar o dedo e dizer: eleitores, é contra eles que buscamos proteger vocês. Eis que, então, surge o antigo inimigo do colonizador europeu, o indígena. Com estratégias eleitoreiras, a Bancada Ruralista e a elite nacional latifundiária, uniu seu grupo contra um inimigo comum: indígenas desarmados e famintos que aguardam a FUNAI ser fortalecida como o INCRA e ter o Art. 231 da Constituição Federal cumprido.

katia_dilmaA imprensa-empresa, sempre à mando do dinheiro, começou a divulgar a campanha “Sou Agro”, em 2011, em que se buscou sensibilizar a sociedade nacional eleitora para a importância do agronegócio no Brasil. Em 2013, numa situação mais que calamitosa, os indígenas ocuparam o Congresso Nacional mostrando ao mundo sua força de união e resistência aos ataques ruralistas da elite latifundiária. Seguiu-se a isso o levante de manifestações que pararam o Brasil com reivindicações mil, sendo a mais forte, o Passe Livre.

Hoje temos, em qualquer canto do país, candidados a Governador, Deputado, Senador e Presidente, posicionando-se como mediador em “conflitos” entre indígenas (leia-se FUNAI) e proprietários “atingidos por demarcação de terra”. O que há por trás desses discursos puramente eleitoreiros? O velho estilo de fazer política chegando ao seu limite.

Apontar um “inimigo”e colocar-se como o mediador, o salvador da pátria, foi comum nos tempos da Guerra Fria, em que os capitalistas acusavam os comunistas e vice-versa. Acabando a Guerra Fria, vieram os terroristas de Bush. No Brasil, por falta de quem acusar de “causador do conflito”, a estratégia de marketing voltou seus olhares aos indígenas. Todo político sabe que voto de índio não tem o mesmo lastro como agricultores. Por exemplo, uma família indígena tem votos de 4 pessoas que podem influenciar mais 4, e limita-se por aí, tendo em vista que são minoria. Uma família de agricultores com 4 pessoas pode expandir sua influência para toda uma cidade ou região, vencendo em números os votos indígenas. É matemática! Hoje para os políticos vale mais ficar ao lado do MST, que execravam antigamente, do que de indígenas e FUNAI.

guerra_friaDiante dessa situação, a FUNAI paralisou suas ações de demarcação de terras, à pedido do Ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, que foi pressionado pela Casa Civil de Gleisi Hoffmann e a Secretaria das Relações Institucionais de Ideli Salvati, claramente interessadas nas eleições para governador de 2014 no Paraná e Santa Catarina. Dilma Rousseff também interessada na reeleição, busca amenizar as polaridades, buscando a hegemonia nos apoio de outros partidos, deixando a elite isolada. Para isso, não quer bater muito forte no tema pois pode perder votos dos agricultores. Como resolver este problema?

A resolução é simples. Em 1850 foi assinada a Lei de Terras no Brasil, buscando organizar a colonização e passando a responsabilidade às províncias (hoje estados) na titulação. Regiões como o interior de Santa Catarina, Paraná e sul do Mato Grosso do Sul eram território paraguaio, que foi roubado pelo Brasil após a Guerra do Paraguai (1864 a 1870). Outras regiões com presença indígena passaram a ser disputadas por empresas de colonização que prometiam terrenos sem indígenas, titulados pelas províncias. Diante disso, quando a União, pela FUNAI e Ministério da Justiça declaram uma Terra Indígena, ela indeniza as benfeitorias ao proprietário, porém o valor pela terra deve ser pago pelo titulador: os estados.

SONY DSC

Rio Grande do Sul possui a Lei do FUNTERRA, que prevê recursos para indenização de proprietários. Santa Catarina tem o Art. 148-A da Constituição Estadual que também prevê indenizações. Mato Grosso do Sul criou uma lei similar. Porém os políticos, ao invés de afirmarem que os estados estão falidos e não possuem recursos para tal indenização (o que soaria mal para suas colazições partidárias), descobriram o “inimigo” indígena e apostam no conflito para angariar votos dos agricultores. Luiz Carlos Heinze e Alceu Moreira do RS, Valdir Colatto e Ronaldo Benedet de SC são exemplos destes eleitoreiros que atacam indígenas em nome de seus interesses eleitoreiros. Quais partidos eles são, pouca importa, pois os partidos como o deles se tornaram apenas portas de entrada no sistema eleitoral brasileiro.

Os indígenas permanecem atualmente como os 513 anos que viveram com a colonização: resistindo à mais uma ofensiva. Buscam seus direitos e apoiam o fortalecimento da FUNAI e da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI) ligada ao Ministério da Saúde. Tentam demostrar aos municípios e estados que são parceiros, que querem seus direitos respeitados e que as demarcações de terras não ocupariam mais de 1% dos territórios estaduais. Mas isto não tem adiantado, pois foram pegos como reféns de um sistema eleitoral eleitoreiro, num país em que partidos deixaram de lado seus ideais rendendo-se ao capital financiador de campanhas. O que resta aos indígenas? Continuar resistindo e mostrar aos eleitores cegos quem são os políticos deste país e a quem estes obedecem, denunciando a Guerra Fria à qual foram colocados pela elite ruralista e latifundiária, e resistir ao capitalismo que transformou a democracia em mercado, e votos em capital.

3 pensamentos em “Guerra Fria contra indígenas

  1. Excelente artigo, infelizmente ninguém resolve essa questão. Muito perigosa essa relação do governo com a bancada ruralista, acho que a Dilma está pisando literalmente na bola, não concordo com nada disso. Ainda tem essa infeliz da Monsanto por aqui, envenenando tudo!

Obrigado!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s